Publicidade$hide=404$show=mobile

$show=404

Sequestro da Primeira-dama... os Bandidos dormiram com ela

o que eu gosto não aconteceu, mas gostei de deitar com a primeira-dama, vocês são de carne e osso.

Sequestro da primeira-dama, um conto de Mario Loff

Ainda me lembro do meu pai dizendo a minha mãe assim. – Sua depravada e desgraçada, e a minha mãe dizendo ao meu pai assim. -seu mal-amado desgraçado, e eles, os dois, diziam um ao outro ao mesmo tempo. - Mas amamos na desgraça e na graça, neles dois conclui que amor é isso mesmo, uma desgraça com a cara de graça a frente de uma felicidade momentânea. Eu hoje não estou aqui, e vou contar o porquê que não estou aqui.

Já que não queres colaborar connosco toma este cálice e beba o conteúdo que está dentro. Tremia a senhora que acabávamos de ter sequestrado, pelo cheiro do perfume dava a sensação de que é uma daquelas mulheres que aparecem na TV as nove da manhã ensinando as senhoras lá de casa a se comportarem na sociedade, a se aprenderem a enfeitar, ficam enchendo a cabeça das nossas senhoras de ideias e depois vem com aquela coisa de VBG perante nós os machos, fico imaginando a minha mãe que passa mais tempo no campo do que em casa, a deixar as suas lides para aprender a usar um tacão alto, a aprender a botar um batão, a frequentar butiques, ou então a consultar o horoscopo e ir ao centro comercial as sete da noite.

A nossa vítima aparenta ter cerca de quarenta a cinquenta anos, fina e linda, isso tenho que admitir, muito bem vestida, ouro puro nas orelhas, a bolça de mão que ela usava sente-se pelo produto do fabrico que é sublinhe, possui um fecho banhado a ouro. Limpamos os dedos, o pescoço, as orelhas e apoderamos de tudo.

Na bolça estava alguns produtos de beleza, também estava um desses últimos telemóveis que saiu e que todos os copos de leite da cidade recebem dos seus pais e eu só olho pela TV, ou quando dou um caso bode com os meus camaradas, não é que estou-me queixando que devia ter essas coisas de mão beijada, mas é que pessoas como eu e o Ak bera, não temos muitas oportunidades de tê-las só com a legalidade dos nossos sacrifícios.

  O ak bera é o meu mano que crescemos juntos desde dois anos no meu bairro de Tinta de chapéu, já fizemos tudo o que é possível um bandido fazer, até na cadeia já fomos juntos, não vivemos separados um do outro, a minha mulher também é amiga da mulher dele, convivem maravilhosamente bem, quando mulheres se dão bem com a outra só pode ser a onde não impera a ordem e a lei, e neste caso impera a lei dos bandidos e as mulheres tem este poder. De amar os seus homens mesmo estando no perigo da morte. A mulher do bandido ama na mara, e no perigo que tem o amor.

Quando um não tem, se ajusta ao outro, como disse o intelectual la do bairro, nos ajustamos as nossas pobrezas, e isso só acontece com pessoas que já bateu de frente com a cara da pobreza, mas eu as vezes, ficava a pensar na vida que eu levava assim como o Ak Bera, dava-me vontade de desistir de tudo e arranjar um trabalho, e voltar a escrever os meus poemas e contos.

Gostava muito de ler e escrever, e o meu sonho acabou no dia que eu fui participar num concurso, fiz tanto esforço para sair vencedor e no fim nem apareceu o meu nome na lista final dos participantes.
O concurso era para escrever um conto sobre os nossos bairros, baseando num livro que cada um de nos já tínhamos lido e que não foi esquecido! É mais ou menos nesta linha. O meu conto era sobre os problemas que os jovens da minha geração sofria e ainda sofre, só que eu fazia parte daquilo, eu pratico tudo o que tinha escrito. Fui tão contente e confiante, tinha o livro quase decorado, o livro de Bram Stoker com o título “Drácula”, sempre gostei dessas coisas assustadoras e de suspense, talvez justificasse a tragedia que é a minha vida.

No fundo o meu bairro precisa de um Vam Helsinki contra os sugadores da alma, o Drácula do meu bairro é a cocaína, pedra e bala que mata muito dos meus manos e os meus colegas de infância, e perguntava sempre a mim mesmo se amanha não seria eu ou Ak Bera, o maior Drácula que habitava dentro de mim era o medo de largar tudo e depois sofrer as retaliações de outros grupos, esse era o meu medo, enquanto eu praticava aqueles atos, estava tudo bem, porque contribuía para o sistema e temos os dedos apontados uns aos outros e ficava tudo bem.

Lia tantos livros que não me serviu para nada, até já li o Dante, li aquele grande livro por partes, a parte que mais gostei é da chegada ao inferno, assim como o livro de Blake com o seu matrimónio de céu e do inferno, já faz tanto tempo que lembro tão poucas coisas que aquele livro diz, pelo menos ele não tinha medo de tocar nas coisas sagradas e ele disse: “todas as bíblias ou códigos sagrados foram as causas dos seguintes erros. Que o homem tem dois princípios existentes e reais a saber: o mal e o bem, todas elas estão na alma e no corpo do homem. Bem é para o bem, o mal e o bem estão intimamente juntos e só sabem provocar guerra e paz e um não vive sem a outra, é como a religião e o seu apego aos bens materiais, cada vez que a negam, mais em quantidade conseguem, através das guerras entre povos e nações, nisso valeu a pena ter lido aquele livro que tem o título …. Agora não me lembro … ahn, a viagem de Theo, um bom livro que explica de forma simples a origem de todas as religiões, bom pelo menos aqui na minha terra nos não fundamos nada até hoje. Nada. Alias nos mesmos fomos fundados.

Enquanto me permanecia sentado a fumar e pensando na vida e naquela minha vidinha passada, o Ak bera me chamou.

-Lil notxi, afinal o quê que vamos fazer com a madame? Ela não quer beber o conteúdo!?
Levantei-me e aproximei-me da cadeira onde estava sentada a senhora, estava tão cheirosa dando ideia da real miss perfumada da música de Cesária Évora, perfumada são um perigo. As mulheres. Dava vontade de estar ali curtindo aquele aroma e o seu corpo, mas não gosto da carne das madames da alta sociedade, mas aquela era diferente até no modo de comportar.

Apanhei o copo e voltei a transmitir a senhora para beber o conteúdo de forma devagarinho e sem pestanejar, já tinha passado tanto tempo, já estava quase a amanhecer e era na meia-noite de sábado que amanheceu domingo que sequestramos aquela senhora.

Dotivemos ela na saída de um jantar beneficente num dos bairros ricos da cidade da Praia, ela e o seu carro, com a nossa arma de brinquedo pintado de preto brilhante produzia impressão até num policial frouxo.

-quem são vocês? Perguntou a senhora para nos.
-afinal “ela” fala, disse ak bera. Aquela senhora era deferente de todas as vítimas que tínhamos sequestrado, calma e de olhar sereno. A sua calma dava a sensação de que tinha algum trunfo contra nós, e eu não tenho o hábito de assustar com as pessoas, é que já tinha lido num livro que disse “todos os seres humanos são infinitamente sociáveis, mas, odeiam o seu semelhante”, por isso nenhum ser humano me assusta.

-porquê que vocês não me contam sobre as suas vidas e vos arranjarei a forma de serem melhores do que isso. Continuou ela, falando com toda a superioridade de quem esta por cima, e nos por baixo feito lixo, a forma como ele falava dava esta sensação em cada palavra que ela tirava da sua boca suava o desprezo, o que me irritou é a pena que ela sentia de nós mesmo presa por sentia pena de nos, isso me fez sentir inútil e uma barata sarnento, mesmo sabendo que leio e sou um pouquinho preparado, mas ela me ultrapassou com aquele comportamento, cheguei mais perto dela.

-olha desde que te sequestramos, estamos sendo muito brandos com a senhora, afinal que és tu? Disse com raiva, tirei a arma com fúria, apertei a caneca contra a sua boca obrigando ela a beber o conteúdo. A presença do conteúdo era mais para assustar.

- Bebi porá, bandida de merda, sabes o quê que se encontra nesta caneca, é um veneno, não queremos acabar contigo com a arma de fogo, só queremos que tenhas uma morte serena, beba desgraçada. Este meu comportamento o fez sentir um pouco de medo.

-por favor me digam o quê que precisam e vão sair vivos daqui! Já amanheceu e o barrulho dos carros já se sentia na rua e rádios de alguns comércios vizinhos já estavam a relatar que desapareceu a primeira-dama sem deixar rastro, logo conclui que tínhamos sequestrado a primeira-dama, desta vez, não iriamos sair vivos daquela acção.

-já vos tinha avisado para me libertarem e ficara tudo bem, disse a primeira-dama. Ak bera, sentiu incomodado com a dimensão de que o caso tomava e me convenceu a largar a senhora para fugir. Pois neguei e ak bera fugiu sozinho, no entanto não senti a porta bater quando ele saiu.

-senhora primeira-dama, eu morava na fora, tratamento que vocês daqui de “dentro”, sim vocês da cidade que tratam pessoas que moram e vive no interior, eu sou natural lá de Tarrafal, vim para Praia com sete anos, sou décimo quinto  filho de vinte e dois irmão e irmãs, a calça que vestia tinha que trazer logo antes da uma da tarde para o meu outro irmão vestir para poder ir assistir as aulas, a minha bolça de saco servia para comparar pão e para eu e o meu irmão levarmos a escola, já ouve dias que fui despido na frente dos meus colegas por ter roubado uma calça do puto meu vizinho, ele tinha tantos e o que eu tinha roubado uma calça deles que estava rasgado na coxa, e logo pensei que era inútil. Na sala de aula, eu era um bom aluno, mas professora não me via como criança, só olhava a representação do lixo e da porquidão, porque ia a escola mal lavado, por vezes sem sapato, cabelos mal penteados, e dentes amarelados e gostava da filha dela, só pelo olhar dela se apercebia que ela me assassinou milhares de vezes com o odeio que saia no olhar dela, eu era criança não dava conta disso, mas hoje sinto uma revolta quando lembrava daquilo, sentia uma magoa e um grande vazio porque não o culpo e não acho os culpado. Já fui preso várias vezes em São Martinho e a maioria dos jovens como eu já passaram pelas instituições de caridade deste país e concluo que as vezes, nada acontece, e quando acontece é porque querem sempre alguma coisa ao vosso favor.

Senhora a pior humilhação que sofri quando eu era criança, foi quando preparei para um concurso literário e o meu nome nem na lista final saiu, eu amava a literatura, nela eu aprendi a guardar as minhas raivas e frustrações que pessoas como a senhora provoca de forma involuntária, as vezes acho que os meus pais me tinham enviado para este mundo sem querer, e hoje então eu vou morrer, tinha dito para ela de forma decidido.

-achas que é me matando que iras se sentir salvo, então eu vou beber o veneno, disse a primeira-dama me encarando comovida com a minha história que nunca tinha pensado contar à alguém, e ela bebeu o veneno.

-antes de morrer queria te contar uma coisa. Sempre desejei deitar ao lado de um bandido só para sentir se existe alguma adrenalina, só para sentir a segurança que as vossas esposas sentem, queria sentir o ao contrário de fato e gravato e dos pareceres que vos produzem aos milhares, as vezes vocês também nos produzem, e pensamos que somos deuses. Ela me fez sinal para a desamarra-la, eu aproximei dela, e a desamarei, me agarrou na mão, me levou para um canto da casa que tinha um papelão estendido e se estendeu, me pediu para se aproximar e deitei ao lado dela e ela pós a cabeça no meu peito enquanto esperava a morte por envenenamento, senti que ela queria morrer em nome de todas as senhoras da sociedade que pensam que em baixo não tem a pobreza e este é o outro mundo que eles desconhecem. Disse para ela.

-senhora primeira-dama, aquilo não é veneno, não é nada, é só um sumo em dose duplicado, pelo menos vi que não se importa morrer por sentir culpada. Ela me tocou na cara, se levantou e vestiu.
- Gostou de deitar com a primeira-dama? Disse ela, e eu respondi, o que eu gosto não aconteceu, mas gostei de deitar com a primeira-dama, vocês são de carne e osso. -Eu quero entrar em ti de uma outra forma e mais profundo, me dá essa chance! Respondi perguntando. Ela me olhou fixamente vestiu-se com um ar de quem voltou novamente à vida e abandonou aquele local e fui atras dela para o meu espanto vi ak bera baleado na porta, ao me levantar a cara, me atingiram no meio da testa. Hoje estou aqui, a minha alma irá abandonar este mundo e o meu corpo vai ser dado à terra, sem conseguir ser escritor.

Mario Loff

COMMENTS

Formulário de Contacto

Nome

Email *

Mensagem *

Nome

Abraão Vicente,27,Africa,1,album,41,AlexEvora,12,anedotas,3,Anilton Levy,33,Arte,3,artistasCV,18,Basket,12,batuku,18,Beleza,16,Beto Dias,18,Beto Duarte,11,BigZ Patronato,9,Biografia,85,BossAC,1,Breve,10,c.james,6,carros,3,casa do lider,2,Cesaria Evora,8,Cesf,17,comedia,101,contos,43,CRASDT,7,Cultiva,7,curiosidade,122,CV,1,CVMA,21,CvTep,9,dança,5,Danilson Pires,9,DenisGraças,2,Desporto,155,Detroit Kabuverdiano,8,Dicas,44,Dicla,17,djodje,43,Djy Indiferente,17,documentário,2,Du Marthaz,3,Dynamo,12,Elida Almeida,30,EljiBeatskilla,6,emprego,1,Entrevista,38,EtelLopes,15,Evento,180,Expavi,6,FattúDjakité,7,FerroGaita,3,Fidjos Di Belo Freire,5,Fofoca,153,Fugi Regra,15,Funana,184,Futebol,88,garry,17,Gaucho do Bem,25,Ghetto Stars,5,GilSemedo,7,Gracelino Barbosa,7,Gylito,4,Heavy H,5,Helio Batalha,30,Hilário Silva,9,Hip Hop,417,info,2,internacional,107,Isah,13,IvanAlmeida,1,Ja Diva,8,Jailson,5,JamesTC,5,Jay,18,JCF,12,JéssicaPellegrini,5,JoaoBranco,2,JuntosMusica,10,kizomba,204,KMA,7,KomikusTarrafal,9,lejemea,31,LeoPereira,11,letras,27,LippeMonteiro,9,Lisandro,9,Lista10,6,LoonyJohnson,11,LoretaKBA,14,Lura,11,Maicam Monteiro,16,Mario Loff,39,MarioLucio,10,MayraAndrade,5,Mentis Kriolu,4,MiguelAndrade,24,Miss,7,MituMonteiro,1,moda,78,MonteTxota,32,musica,308,NelsonFreitas,13,Neuza,1,opinião,953,OsmarBrito,1,pentiados,5,Poema,90,policia,4,Politica,196,Populares da Semana,2,Princezito,7,Projota,8,Promo,50,Quemé,3,r100j,14,Radio,1,Rahiz,22,Ravidson,4,Receitas,12,RickyBoy,9,Ritchaz,7,RomeudiLurdes,6,S.O.S,3,Sandrine,4,saude,46,SCV,15,Sem Truques,5,ShadeB,9,sociedade,578,sondagem,2,Surf,5,TACV,25,Tarrafal,168,Teatro,3,Tec,7,Thairo Kosta,6,Tikai,19,Tinho Star,10,TitoParis,1,Tixa,4,Tony di Frank,14,TonyFika,17,ToSemedo,7,turismo,3,Ultimas gotas,6,VanessaFurtado,8,VannyReis,1,video,1257,WillSemedo,18,Za Preta,4,Ze Badiu,9,ze espanhol,31,Zubikilla,3,
ltr
item
Dexam Sabi Cabo Verde: Sequestro da Primeira-dama... os Bandidos dormiram com ela
Sequestro da Primeira-dama... os Bandidos dormiram com ela
o que eu gosto não aconteceu, mas gostei de deitar com a primeira-dama, vocês são de carne e osso.
https://1.bp.blogspot.com/-uCUZ4ge_Yk0/V-_6i2ULAxI/AAAAAAAAN0A/1A8Fv7f-duAINLq-IvrRPDCKqve703iJwCLcB/s640/sequestro-da%2Bprimeira%2Bdama.jpg
https://1.bp.blogspot.com/-uCUZ4ge_Yk0/V-_6i2ULAxI/AAAAAAAAN0A/1A8Fv7f-duAINLq-IvrRPDCKqve703iJwCLcB/s72-c/sequestro-da%2Bprimeira%2Bdama.jpg
Dexam Sabi Cabo Verde
http://www.dexamsabi.com/2016/10/sequestro-da-primeira-dama-os-bandidos.html
http://www.dexamsabi.com/
http://www.dexamsabi.com/
http://www.dexamsabi.com/2016/10/sequestro-da-primeira-dama-os-bandidos.html
true
777634241572887542
UTF-8
Loaded All Posts Not found any posts VIEW ALL Readmore Reply Cancel reply Delete By Home PAGES POSTS View All RECOMMENDED FOR YOU LAB ARCHIVE SEARCH ALL POSTS Not found any post match with your request Back Home Sunday Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Saturday Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat January February March April May June July August September October November December Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec just now 1 minute ago $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Yesterday $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago Followers Follow THIS CONTENT IS PREMIUM Please share to unlock Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy